sábado, 6 de fevereiro de 2010

Apresento-lhes...

Ele não sabia bem o seu lugar no mundo; melhor, ele não sabia se era desse mundo. Na realidade, não se entendia como um ser humano, como um material ou apenas ao nada. Ele apenas vivia...

Desde quando se entende por 'ser', ele é diferente dos demais: introspectivo, ele se fechava no seu mundinho, criado apartir do que ele entendia até ali por "silêncio", "reflexão" ou apenas "timidez"; depois, mudou, se tornando expansivo e alegre. Mas, assim mesmo, se sentia deslocado daqueles que convivia.

Seus conceitos e princípios continuam os mesmos de quando era mais novo, mas evoluíram: aprendeu coisas novas, agregando valores naquilo que construíra como sendo o seu caráter, viu como a sociedade realmente se comporta, e viu que isso não batia com os deles. Aí, ele começou a pensar: o que realmente eu sou?

Pessoas, amigos, que achava que conhecia bem começaram a mudar: alguns ficaram esquivos, distantes, esquecidos. Claro, ele pensou - pessoas mudam, quem não muda? -, mas de forma tão extrema, elas são assim mesmo?

Dúvidas e questões foram surgindo em sua mente, e ele se perguntava se ele era daqui, o que ele era, pelo que vivia...

Quem é ele? Não sei, muito menos ele sabe. Poderiam me dizer quem ou o que ele é?

2 comentários:

LM Pizzato disse...

Ele é o cara e ponto.

Z Shinoda disse...

Ele é simples como qualquer outro e complexo como nenhum. Há quem caminhe neste mundo sem ao menos questionar-se uma única vez. Alguns jamais encontram a resposta, mas aquele que questiona já responde a si mesmo. Simplesmente é.