segunda-feira, 5 de abril de 2010

O jovem

Ele estava cansado daquilo tudo!

Suas dúvidas e indecisões o corroíam dia após dia, num ritmo lento e doloroso. Lento como o próprio passar do tempo, o ser que controla a todos com a sua contagem em segundos e minutos; horas, dias e meses que começam e terminam num ciclo infinito, contínuo. Doloroso como uma ferida profunda, que demorará para se curar e, após todo o processo, ainda irá existir, pois a cicatriz ali deixada rememora como a mesma fora adquirida, seja por um acidente, um ato de altruísmo ou um momento de tolice.

Achara que já tivesse tomado a decisão correta, mas sua decisão era como as ondas do mar, que vão-e-vem, de forma natural, cíclica, algo tão belo mas também tão misterioso.

Ele pensa agora... Tenta pensar... Se põe a pensar... E o que vem em sua mente são mais indecisões...

O que resta fazer, agora, é ir ao bar e pedir uma cerveja. Sua decisão não será revelada pela espuma, mas, momentaneamente esquecida, até o seu próximo momento de indecisão, dúvidas e dor...


Ou, quando ele decidir se livrar delas...

Um comentário:

Letthyssia disse...

"sua decisão era como as ondas do mar"
vão e vem... e as vezes parecem que não voltarão. Importante é ser forte e suportá-las.

Beijo guri, te cuida...